Categoria Arquidiocese do site


Olhar da Fé Aprender a envelhecer


  Postado dia 24/09/2021 categoria Arquidiocese por usuário admin.


Aprender a envelhecer

O Dia Nacional do Idoso é comemorado em 27 de setembro e propõe refletir sobre a situação do idoso no Brasil. Antes de tudo, é preciso considerar que envelhecer é uma lei da natureza. Isso implica estar sensível ao entardecer da existência.  É uma etapa na qual é preciso superar a contraposição entre a idade da força, dos jovens, e a idade da fragilidade, dos velhos.  É necessário vencer a crise de sentir-se sempre doente, em busca de uma juventude perdida ou de um rejuvenescimento a qualquer custo.

Em muitas culturas, os velhos são testemunhas eloquentes da história e da tradição, herdeiros privilegiados do tesouro cultural da comunidade. São considerados sábios conselheiros que experimentaram as lutas e dificuldades do tempo, mas acalmaram suas vidas pelo tempo que passou. É verdade que a pessoa não pode ocultar sua velhice, mas nos idosos permanece a inteligência, a capacidade de meditar, a possibilidade de amar e de partilhar pensamentos, ideias e sentimentos. Tudo isso supõe que as pessoas se preparem para envelhecer.

Pesquisadores que conciliam geriatria e espiritualidade constatam como a busca de um sentido para a vida, a prática do bem e a fé em Deus, com o avançar da idade, amenizam o impacto dos sofrimentos e dos revezes da vida, e mais, melhoram as condições da saúde física e da mental.

A Bíblia bem recorda que o idoso não se torna mestre da vida automaticamente. Não é só porque tem muita experiência que se tornará alguém que acumulou sabedoria. Tudo depende da forma como ele se relacionou com essas experiências, o que aprendeu e como lidou com as dificuldades, como serenou o coração e a mente nas crises, como soube ser humilde no sucesso e paciente na provação.

Nesse sentido, o idoso tem valor não somente porque tem muitos anos de vida, mas porque aprendeu, com o tempo, a lapidar sua personalidade e torná-la menos complicada e mais sábia. E, como afirma o Salmo 92, “Dão fruto mesmo na velhice, são cheios de seiva e verdejantes, para anunciar que o Senhor é reto” (Sl 92, 15 s). A velhice, na Bíblia, é apresentada como um tempo propício para bem concluir a aventura humana. É o tempo que tudo favorece para que o ser humano possa compreender melhor o sentido da vida e alcançar a “sabedoria do coração”.

Deve-se entender que a velhice é um período muito especial da vida humana, pleno de sentido e com sua beleza própria. Descomplique a vida. Entenda mais os netos. Aprenda com as crianças. Admire as buscas dos jovens.  Aceite que as pessoas têm seus projetos, e que nem sempre você está neles. Ame-os mesmo assim. Não é ser velho que machuca, mas ser inerte e superficial, confundir serenidade com inatividade, abandono espiritual com indiferença à vida.

Dom Leomar Antônio Brustolin

Arcebispo Metropolitano